Argentina flag Argentina: Contexto político-econômico

Contexto econômico da Argentina

Indicadores econômicos

Para obter as previsões mais recentes sobre os impactos econômicos causados pela pandemia do coronavírus, consulte a plataforma de rastreamento de Respostas Políticas para COVID-19 do FMI para as principais respostas econômicas dos governos.

A Argentina tem uma longa história de instabilidade política e econômica, com flutuações de crescimento significativas a cada ano. Em 2022, o país teve uma estimativa de crescumento do PIB de 4%, principalmente devido ao consumo privado e à recuperação dos setores que foram afetados pela pandemia. Contudo, estima-se que a segunda maior economia da América do Sul continue a se recuperar nos próximos anos, com o FMI prevendo um crescimento do PIB de 2,% em 2023 e em 2024, enquanto a contração monetária e a pressão dos preços devem enfraquecer o mercado de trabalho e o consumo privado.

Desde 1950, a Argentina passou 33% do tempo em recessão, sendo o segundo do mundo de acordo com o Banco Mundial, atrás somente da República Democrática do Congo. A inflação estruturalmente alta cresceu em 2022 e atingiu uma taxa estimada de 72,4%, de acordo com o FMI, uma vez que grande parte do déficit fiscal foi monetarizado e o Peso desvalorizou devido à falta de um plano de crédito econômico por parte do governo. A fim de refrear as pressões inflacionárias, o governo implementou novas taxas de câmbio a mais de 10 que já existem na Argentina. Segundo o FMI, o saldo do governo geral na Argentina representou cerca de -3,8% do PIB, enquanto a dívida pública atingiu 76% em 2022. Além disso, o país vem avançando na renegociação da dívida de 40 bilhões de dólares com o FMI e alcançou um acordo em 2022. Assim, espera-se que o país continue em seu caminho para reduzir ainda mais o desequilíbrio macroeconômico e restaurar a ordem fiscal nos próximos anos. Embora a pandemia tenha impactado significativamente a economia argentina, o país vem se recuperando, com o governo implementando medidas para combater a crise econômica dela decorrente.

Em 2021, a taxa de desemprego da Argentina foi de 6,9%, coerente com a recuperação econômica do país. Essa tendência de queda deve continuar sem alterações em 2023 e 2024. No entanto, mesmo que o emprego formal esteja crescendo, a alta informalidade do trabalho continua sendo uma preocupação no país. O governo argentino tem enfrentado dificuldades para combater os altos níveis de pobreza, que atinge mais de 40% da população, e a situação social do país é caracterizada por constantes tensões subjacentes entre o governo e os sindicatos sobre as reformas anunciadas. O país também está dividido entre autoridades centrais e descentralizadas sobre a distribuição das receitas federais. As redes de infraestruturas exigem mais investimento, pois o acesso à electricidade e à água nas zonas rurais nem sempre é assegurado.

 
Indicadores de crescimento 20222023 (E)2024 (E)2025 (E)2026 (E)
PIB (bilhões de USD) 630,61621,83632,63635,91660,28
PIB (crescimento anual em %, preço constante) 5,0-2,52,83,33,0
PIB per capita (USD) 13.62013.29713.39413.33013.704
Saldo do Balanço de Pagamentos (em % do PIB) -4,1-3,2-2,8-1,2-0,1
Dívida Pública (em % do PIB) 84,789,579,976,875,8
Índice de inflação (%) n/a121,793,754,142,1
Taxa de desemprego (% da população economicamente ativa) 6,87,47,27,27,2
Balanço das transações correntes (bilhões de USD) -4,29-3,767,305,246,17
Balanço das transações correntes (em % do PIB) -0,7-0,61,20,80,9

Fonte: IMF – World Economic Outlook Database, October 2021

Principais setores econômicos

Mesmo com as recentes dificuldades econômicas, a Argentina permanece uma economia mundial importante, principalmente devido à sua produção agrícola. O setor é, principalmente, baseado na pecuária, no cultivo de cereais (trigo, milho e, sobretudo, soja transgênica), de frutas cítricas, de tabaco, de chá e de uvas (em sua maioria para a produção de vinhos). A Argentina é o maior exportador e o terceiro maior produtor mundial de produtos derivados da soja. A soja e a cana de açúcar são cultivadas para a produção de biocombustíveis,  uma especialidade do país, que é também o maior exportador e o sexto maior produtor de biodiesel do mundo. O setor agrícola representa 7,1% do PIB do país, mas emprega somente 0,1% da população (valores estimados pelo Banco Mundial). Rica em recursos energéticos, a Argentina também tem grande potencial em termos de matérias-primas: é o quarto maior produtor de gás natural na América Latina, possui o terceiro maior reservartório de gás de xisto no mundo e o quarto maior reservatório de lítio e petróleo. A exportação agrícola é a principal fonte de receita da Argentina, especialmente enquanto o país ainda está saindo de uma recessão que foi agravada pela pandemia. No entanto, em 2022, o país experimentou a pior seca em décadas, o que afetou significativamente as safras de trigo, milho e soja do país.

O setor industrial, que se desenvolveu vastamente nestes últimos anos, representa cerca de 23,6% do PIB e emprega 21,8% da população de acordo com os últimos dados do Banco Mundial. As principais indústrias do país são a de embalagem de alimentos (especialmente carnes, farinhas e conservas) e a de moagem. O setor industrial  também é forte em veículos automotores e autopeças, bens de consumo duráveis, têxteis, produtos químicos e petroquímicos, farmacêuticos, impressão, metalurgia e aço, maquinários industriais e para fazendas, eletrônicos e dispositivos domésticos A atividade industrial da Argentina registrou um crescimento no setor de automóveis, bens de consumo duráveis, têxteis, produtos químicos e petroquímicos, farmacêuticos, impressão, metalurgia e siderurgia, máquinas industriais e agrícolas; eletrônicos e eletrodomésticos. A atividade industrial na Argentina continuou crescendo em 2022, registrando uma recuperação constante dos impactos da pandemia.

O setor de serviços é o maior contribuidor para o PIB,  representa 52,5% do PIB e emprega 78,1% da população ativa. A Argentina se especializou em serviços de tecnologia de ponta e é particularmente competitiva em desenvolvimento de softwares, centrais de atendimento telefônica, energia nuclear e turismo. Telefonia e setores TIC também estão se desenvolvendo de forma dinâmica, assim como o turismo que está se tornando cada vez mais um importante setor. Em 2022, o turismo experimentou um crescimento significativo, pois a desvalorização do Peso tornou o país um destino atraente para visitantes estrangeiros. Como resultado, o número de turistas na Argentina voltou aos níveis pré-pandêmicos em 2022.

 
Divisão da atividade econômica por setor Agricultura Indústria Serviços
Emprego por setor (em % do emprego total) 7,7 20,0 72,4
Valor agregado (em % do PIB) 6,4 23,4 53,0
Valor agregado (crescimento anual em %) -3,8 6,0 6,2

Fonte: World Bank, Últimos dados disponíveis. Devido ao arredondamento, a soma das percentagens pode ser superior / inferior a 100%.

 

Obtenha mais informações sobre o seu setor de atividade em nosso serviço Estudos de mercado.

 
 

Retrouvez tous les taux de change Conversor de divisas.

 

Indicador de liberdade econômica

Definição

O indicador de liberdade económica mede dez componentes da liberdade económica, divididos em quatro grandes categorias: a regra de direiro (direitos de propriedade, nível de corrupção); O papel do Estado (a liberdade fiscal, as despesas do governo); A eficácia das regulamentações (a liberdade de inciativa, a liberdade do trabalho, a liberdade monetária); A abertura dos mercados (a liberdade comercial, a liberdade de investimento e a liberdade financeira). Cada um destes dez componentes é medido numa escala de 0 a 100. A nota global do país é uma média das notas dos 10 componentes.}}

Nota:
52,7/100
Posição mundial:
148
Posição regional:
26


 

Classificação do ambiente de negócios

Definição

O ranking de ambiente de negócios mede a qualidade ou a atratividade do ambiente de negócios nos 82 países abrangidos pelas previsões do The Economist. Este indicador é definido pela análise de 10 critérios: o ambiente político, o ambiente macroeconômico, as oportunidades de negócios, as políticas no que diz respeito a livre iniciativa e concorrência, as políticas no que diz respeito ao investimento estrangeiro, o comércio exterior e o controle do câmbio, a carga tributária, o financiamento de projetos, o mercado de trabalho e a qualidade das infraestruturas.

Nota:
4,98/10
Posição mundial:
73/82

Fonte: The Economist Intelligence Unit - Business Environment Rankings 2020-2024

 

Risco país

Consulte a análise de risco do país sugerida por Coface.
 

Return to top

Fontes de informação econômica

Ministérios
Lista oficial dos ministérios
Site da República da Argentina
Ministério da Economia
Ministério das Relações Exteriores, Comércio Internacional e Assuntos Religiosos
Órgão de estatísticas
Instituto Nacional de Estatística e Censos (INDEC)
Banco Central
Banco Central da República Argentina
Bolsas de Valores
Bolsa de Comercio de Buenos Aires
Portais econômicos
Ministério da Economia e das Finanças Públicas
 

Return to top

Alguma observação sobre este conteúdo? Fale conosco.

 

© eexpand, todos os direitos de reprodução reservados.
Últimas atualizações em Outubro 2023